terça-feira, 4 de agosto de 2009

Os jovens como criadores e disseminadores de tendências de consumo












A partir da segunda metade do século XX a juventude como conceito tornou-se o topo da pirâmide da moda e o universo simbólico juvenil da rua tornou-se base para o processo de criação e comercialização da roupa. É necessário conhecer o valor simbólico dos signos estéticos usados como código de indumentária, de estilo e de comportamento pela juventude, para se compreender porque estes convertem-se em novos padrões de moda e consumo. Imaginemos o movimento punk sem a composição indumentária que marcou o estilo , as calças rasgadas, braceletes com rebites, a costomização (o do it yourself) nas roupas… Agora imaginemos os anos 80 sem os cabelos repicados e armados com gel, os acessórios em couro e rebites, a maquiagem pesada e as tatuagens em ascensão. Fica evidente o encadeamento dos eventos culturais promovidos por grupos juvenis a e geração de padrões de moda adotados consensualmente. (Créditos: Comunidademoda)

Um comentário:

Valeria disse...

Os créditos não pertencem à Comunidade Moda, mas ao meu blog, Antropolab:
http://valeriabrandini.blogspot.com
Grata
Dra Valéria Brandini